Saltar para: Post [1], Pesquisa e Arquivos [2]

Mar & Arte

Artesanato Urbano de Coisas Ligadas ao Mar (e outras)

Mar & Arte

Artesanato Urbano de Coisas Ligadas ao Mar (e outras)

29.07.18

28 - Modelismo Naval 7.4 - "Cutty Sark" 2.3


marearte

 

ib-04.1.jpg

 

(continuação)

 

Caros amigos

 

No último post, deixámos o “Cutty Sark” ancorado no porto de Singapura para onde, após o suicídio do capitão Wallace em plena viagem, foi levado pelo aprendiz sénior que assumiu o comando do navio pois o 2º Oficial declarou-se incompetente para o fazer. De Singapura foi telegrafada para John Willis a descrição dos tristes acontecimentos. E a vida continuou.

 

Viagem 12 – Capitão William Bruce

Na sequência dos últimos acontecimentos no “Cutty Sark” durante a 12ª viagem – a morte do marinheiro WH Francis, a fuga do imediato Smith e o suicídio do capitão Wallace – três acontecimentos azarentos para homens do mar que são significativamente supersticiosos, o ânimo de John Willis não quebrou. Sabendo que outro navio seu se encontrava em Hong Kong, o “Hallowe’en” (nome que vem mesmo a calhar para este ambiente supersticioso) comandado pelo capitão Fowler, telegrafou no sentido de saber se havia alguém disponível para assumir o comando do “Cutty Sark”.

William Bruce, de 42 anos de idade, nascido em Aberdeen era na altura o imediato do “Hallowe’en”. Mas não era nada popular entre a tripulação do navio e muito menos junto do seu comandante. Está mais que visto que o capitão Fowler recebeu este pedido com toda a satisfação e “voluntariou” de imediato o imediato William Bruce para o comando do “Curtty Sark”.

 

UpperDock1869 (1).png

 

Aberdeen, na Escócia, onde nasceu o capitão Bruce, foi uma cidade onde a construção naval de grandes veleiros (principalmente “composite ships – o “Thermopylae” foi lá construído em 1868 nos estaleiros “Walter Hood & Co”) floresceu em todo o séc. XIX. Este mapa, de 1865-7, mostra a ”Upper Dock” (The Inches) onde todo o lado sul - no que agora é “Jamieson's Quay” - estava ocupado por estaleiros navais; O mapa sugere a existência de 5 carreiras nesta zona. Existiam mais estaleiros nas margens dos rios Dee e Don, que banham a cidade.

 

Na continuação da décima segunda viagem William Bruce assinou em Singapura o contrato para o comando do “Cutty Sark” em 24 de Setembro de 1880 não tendo sido selecionado por uma questão de mérito mas sim porque simplesmente estava mais à mão e porque o capitão Folder estava ansioso em arranjar uma forma de se ver livre dele. À data em que ele assinou, parte da tripulação que tinha embarcado em Penarth no início da viagem, já tinha abandonado o navio tendo sido necessário para a sua substituição, matricular mais tripulantes. Assim foram matriculados o imediato C Smith (o nome do anterior era SW Smith), o 2º oficial ST Reynolds e mais 10 marinheiros de 1ª (AB). Entretanto, a carga de carvão destinada a Yokahama já tinha sido consignada a outro destino e descarregada no porto de Singapura.

Em lastro, o navio saiu com rumo a Calcutá à procura da consignação de uma carga. Logo de início, Bruce convocava orações coletivas diárias a que obrigava toda a tripulação a assistir no convés, o que irritava a maioria dos tripulantes. Além disto era um alcoólico da pesada, hipócrita e bem cedo provou que nenhumas garantias dava de se aplicar no comando do navio. Ou melhor, embora tivesse suficientes conhecimentos de navegação, poucos deles iria aplicar por falta de tempo, já que passava metade do tempo a embebedar-se e a outra metade a “tentar” curtir a bebedeira. Na realidade isto ficou bem patente para a tripulação que o considerava um covarde e inábil para comandar o navio pois, durante a viagem para Calcutá, provou que não sabia aproveitar os ventos, manobrando as velas de uma forma pouco eficaz. De qualquer modo, arribaram a Calcutá em Novembro de 1880. Como se costuma dizer: ”Ao menino e ao borracho põe Deus a mão por baixo”!

 

carregamento de chá num clipper.jpg

 Esquema da forma e das regras para carregar corretamente o chá num “composite clipper” como o “Cutty Sark”. Uma espécie de “vade mecum” para o chefe da estiva não se esquecer de nada, tal a importância desta tarefa no desempenho do navio na viagem de volta

Mas os agentes em Calcutá também não tinham cargas para o “Cutty Sark” e William Bruce teve de aguardar sendo assim obrigado a dispensar os novos marinheiros. Só ao fim de 4 meses os agentes conseguiram consignar carga para o “Cutty Sark” que era constituída por juta e chá com destino a Melbourne, Austrália. Como curiosidade, esta partida de chá foi a primeira que a Austrália importou.

Houve que matricular nova tripulação mas o navio estava curto de orçamento e o recrutamento incidiu principalmente sobre marinheiros que contratavam a 1s pela passagem para Melbourne. Entre eles, alguns já tinham vindo no “Cutty Sark” nesta viagem desde a Inglaterra como era o caso do mestre veleiro, um marinheiro russo de 56 anos Alexander Jansen, que era referido como um “Vanderdecken” o tipo mais impopular de “Jonah” (azarento) que profetizava constantemente desgraças para o navio. O “Cutty Sark” reiniciou a 12ª viagem com rumo a Melbourne em 5 de Março de 1881.

Também foi matriculado um novo imediato, com 25 anos de idade, de Londres e com o nome de William H Rutland que rapidamente se tornou o camarada de bebida do hipócrita comandante. Depois de uma tumultuosa viagem de “orgias alcoólicas” e “autos de fé” o capitão lá conseguiu levar o “Cutty Sark” ao seu destino, Melbourne, em 14 de Maio de 1881.

Depois da chegada a bom porto o marinheiro de 1ª William MacGregor caiu ao mar e afogou-se. E houve um corrupio de desistências. Os sete marinheiros, entre eles o 2º oficial A Selby, que embarcaram pela viagem, desistiram. O marinheiro aprendiz Stoughton também desistiu por incompatibilidade com o imediato.

Z123.png

 A escotilha de acesso que levava ao alojamento dos marinheiros no castelo da proa bem como correntes das âncoras e o guincho das mesmas.

O capitão Bruce teve então de efetuar novo recrutamento para substituir os marinheiros que largaram o navio. Mas havia uma diferença em relação ao recrutamento feito em Singapura - os candidatos exigiam ser pagos pela tabela australiana, £4 contra as usuais £1 ou £2 de Londres.

Foram matriculados o 2º oficial H Carne bem como 3 Marinheiros de 1ª (AB) e 2 marinheiros ordinários (OS). Além disto, foi matriculado um despenseiro, JA Cave, de Sunderland. Os 3 marinheiros de 1º (AB) forma matriculados por £4 mensais cada.

Enquanto estiveram atracados no porto de Melbourne o capitão Bruce e o seu compincha imediato embebedavam-se de caixão à cova e o capitão Bruce “atuava” pregando no convés do “Cutty Sark” exibindo-se para todos os passantes e proclamando a sua grande “piedade”.

 

Porto de Melbourne.jpg

 Navios à vela em “Sandridge Pier” no porto de Melbourne c. 1880. Este cais tinha a particularidade de ser atravessado a todo o comprimento por uma linha de caminho-de-ferro o que facilitava quer a descarga quer a carga de mercadorias.

O navio descarregou a juta e o chá e rumou para Sidney. Mas o capitão Bruce estava preocupado com a possibilidade de saída de mais membros da tripulação em Sidney. E assim aconteceu. Vários membros da tripulação saíram em Sidney – incluindo o cozinheiro – e o capitão Bruce teve de matricular mais homens, novamente aos preços da Austrália. Por exemplo, o novo cozinheiro ficou a ganhar £4-10-00. No total da tripulação do “Cutty Sark” naquela altura, 9 marinheiros de 1ª (AB) venciam pelo padrão australiano. £4 mensais.

30f183703ea32fab6d01ca5e7bd59a40--quay-sydney-.jpg

 “Circular Quay” no porto de Sidney, Nova Gales do Sul, Austrália

O capitão Bruce não era um homem feliz mas, na companhia do imediato e de uma garrafa de whisky – não “Cutty Sark” pois ainda não havia – arquitetaram um plano para pôr os marinheiros com o salário australiano de £4 a andar para fora do navio.

O “Cutty Sark” zarpou de Sidney em 2 de Julho de 1881 e depois de uma viagem razoável de 46 dias aportou a Xangai em 17 de Agosto de 1881. Depois de descarregar o carvão vindo de Sidney o imediato fez o seu melhor para conseguir correr do navio com os marinheiros com salário australiano. A estratégia foi fazê-los trabalhar de dia e de noite sem parar até que quebrassem. Quatro deles que não conseguiram aguentar por mais tempo as judiações do imediato desistiram por acordo mútuo.

Z151.png

 O convés original do “Cutty Sark” era constituído por pranchas de teca com por volta de 3 a 4 polegadas de espessura e 5 a 6 polegadas de largura. Este tabuado foi colocado sobre a plataforma de ferro da estrutura e o espaçamento entre as tábuas foi preenchido com estopa. Breu em ebulição foi vertido por cima da estopa das ranhuras a fim de preencher o restante espaço e formar uma costura. Os conveses de madeira de todos os navios eram oleadas de forma regular com uma mistura igual de óleo cru e terebentina. Se o tempo o permitisse os conveses de madeira eram baldeados diariamente e esfregadas com pedras para evitar que a tripulação escorregasse. Esta fotografia não é do “Cutty Sark”.

 

Possivelmente foi isto que o imediato do “Cutty Sark” pôs a tripulação a fazer. E também lavagens do porão.

Mas nesta altura o navio foi assaltado por uma epidemia de cólera. Depois de 1 mês, três marinheiros de 1ª (AB) morreram de cólera no Hospital de Isolamento de Xangai. Dois eram do grupo do salário de £4. Os 6 marinheiros de 1ª (AB) e o outro marinheiro também falecido foram facilmente substituídos. Nesta altura a tripulação do “Cutty Sark” só tinha 3 marinheiros com o salário de £4. Foram matriculados em Shangai 4 novos marinheiros de 1ª (AB) com salários de £2-15-00 bem como um marinheiro aprendiz. O marinheiro aprendiz sénior foi promovido a 3º oficial.

 

Xangai antiga.jpg

Xangai antiga c. 1880

 

Devido à cólera e depois de ter perdido uma viagem através do Pacífico para carregar madeira em Portland, o navio navegou para Cebu nas Filipinas para carregar juta que tinha sido enviada de Londres com destino a Sidney. Contudo, uma vez em Cebu, enfileirou na fila de espera para o carregamento e teve de esperar 6 semanas até o conseguir. Mas, mal o carregamento foi feito recebeu um aviso de que a carga tinha sido revendida a outro comprador (o que era comum, até com os navios já em trânsito, só tomando conhecimento de tal fato no porto de chegada) tendo recebido ordens para rumar a New York.

O capitão Bruce era conhecido por mudar de humor rapidamente. Num minuto podia ser cordial, amigável e simpático para a sua tripulação. Mas, no minuto seguinte podia torna-se no completamente oposto. Ainda antes de zarpar para New York convidou os tripulantes a descontraírem-se junto do mastro grande tendo-lhes fornecido algumas garrafas de aguardente filipina. Então, quando eles começaram, depois de se embebedarem, a lutar entre eles, prendeu Blood em terra por insubordinação, bebedeira e comportamento agressivo... Blood, que era de Hamburg foi o sétimo dos marinheiros de Sidney a sair, e era bastante evidente para a tripulação que tudo tinha sido manipulado pelo capitão. Blood foi condenado a uma sentença de prisão de 60 dias e o seu lugar foi ocupado por um dos nativos de Cebu, Feliciano Guilleras, por £ 1 por mês.

O golpe do capitão significou uma poupança de mais 3 libras esterlinas por mês em apenas um dos marinheiros de Sidney. Ao ver-se livre de sete dos nove marinheiros, substituindo-os por outros com uma remuneração mais baixa, o capitão Bruce, economizou a quantia de £ 11-15-00 no salário mensal. O conseguir ver-se livre de quatro dos marinheiros altamente remunerados de Sydney, e de mais três que morreram, foi habilidosamente orquestrado pelo capitão Bruce e pelo imediato. Mas havia mais dois que tinham de sair.

Na viagem em direção a New York, o “Cutty Sark” deixou Cebu em 6 de Dezembro de 1881, com a tripulação em tumulto e expectante sobre o que se avizinhava. O forrobodó começou mal o navio desatracou pois o capitão e o imediato começaram ou melhor, continuaram a embebedar-se. A esta empreitada também se juntou o despenseiro que, mesmo atuando como criado, juntou-se à sessão de copos. A bebida, de elevada graduação, atuou de imediato levando os foliões a ficarem ébrios, sem senso e a agir de forma muito perigosa.

O 2º oficial Henry Carne de Liverpool, com 21 anos, viu os perigos que corriam se nada fosse feito para alterar aquela situação. Assim, sub-repticiamente, serviu ao capitão tanta bebida que o tornou completamente incapaz. Então, enquanto o capitão se encontrava em tal estado que já estava perto do coma alcoólico, o 2º oficial atirou a caixa de bebidas pela borda fora.

 

Cebu-Filipinas.png

 A ilha de Cebu no arquipélago das Filipinas

 

Com a conivência dos marinheiros, o 2º e o 3º oficiais levaram o navio para 20 milhas a leste e ancoraram junto à ilha do Cabo Saint Nicholas. E ali ficaram dois dias até que o capitão apareceu a cambalear no convés! Apesar de ainda estar bêbado, o capitão ficou estupefato ao encontrar o navio ancorado. Ao questionar os oficiais e aprendizes sobre a forma como ancoraram ali, estes homens não lhe deram nenhuma explicação. O capitão Bruce nada disse sobre o desaparecimento da caixa de bebida. Devia de estar em tal estado, que os seus prováveis pensamentos ​​eram que ele, o imediato e o despenseiro tinham bebido tudo. Enquanto isto, e devido ao efeito do álcool, o imediato e o despenseiro ainda estavam a curtir a bebedeira nas suas cabinas. Mais uma vez, o navio retomou a navegação em direção a New York através do estreito de Sunda. Sem qualquer bebida a bordo!

Depois de apanharem ventos errantes e fracos, o navio “seco”, atingiu Anger Point quatro semanas depois, em 3 de janeiro de 1882. Foi lá que o capitão Bruce ancorou, mas somente para carregar mais bebidas alcoólicas. O suficiente para durar para ele e para os seus colegas de bebedeira, o imediato e o despenseiro, até que o navio chegasse a New York. Nada foi feito para reabastecer o navio com alimentos e com água e assim que o “Cutty Sark” levantou ferro, o forrobodó no salão recomeçou sem demora.

Salão.png

Salão dos oficiais do “Cutty Sark” que foi testemunha das grandes pielas do capitão Bruce e do imediato Rutland. Atendendo a que isto se passou em 1882 e que o whisky “ Cutty Sark Blended Scotch Whisky” só apareceu em 1923, não será que a marca se “inspirou” nas monumentais cardinas destes três borrachos? 😀

Quando os capitães consideram e apoiam as tripulações de uma forma correta e constante, a disciplina a bordo é quase uma decorrência disso. A resposta às ordens de manobra é dada a tempo, com disciplina e com organização e precisão perfeitas. Mas quando os marinheiros são mal alimentados e mal tratados, eles naturalmente executam a faina de maneira mal-humorada e desanimada. Portanto, quando Bruce tentou tirar o navio do ancoradouro de Anger, a disciplina dos seus marinheiros, bem como o tempo de resposta às ordens do capitão, não foi o que deveria ter sido. O resultado foi que o navio foi apanhado por correntes, com o “Cutty Sark” a ser enviado em sentido contrário ao pretendido, correndo à popa, e quase colidiu com escolhos rochosos semisubmersos antes que as velas pudessem ter sido enfunadas.

Na sessão de bebedeira seguinte, o capitão e o imediato envolveram-se numa discussão violenta e ficaram tão embriagados que o imediato foi a cambalear (e o mar estava chão) para a sua cabina e trancou a porta, tendo por lá ficado alguns dias sem cuidar das suas tarefas. Amuou, digo eu! Os marinheiros tinham consciência de que a situação do navio com este capitão e este imediato era tudo menos boa, e por medo da sua própria segurança, imploraram ao 2º oficial que assumisse o comando. Mas o jovem de 21 anos sabia que se fizesse isso, mesmo tendo o apoio de toda a tripulação para as suas ações, teria à perna a Câmara de Comércio e a lei da Grã-Bretanha com uma opinião bem diferente sobre o assunto. Numa palavra, isso seria considerado motim!

Em 4 de fevereiro de 1882, um mês depois de deixar Anger, dois dos tripulantes, o 3º oficial Charles Sankey e o marinheiro de 1ª Thomas Dunton (um dos marinheiros embarcados em Sidney com o pagamento de £4) estavam a escalar os enfrechates de estibordo do mastro do traquete para trabalharem no topo do mesmo. Naquele momento, os estingues da vela maior estavam a ser manobrados com o guincho para permitir que a vela dianteira fosse colhida para os terços. Mas quando estes dois homens estavam a meio caminho, nos enfrechates, o imediato que estava no convés, desembraiou de repente o guincho que estava ligado ao colchete do punho da vela, e a engrenagem do moitão da escota e a vela já colhida, despencaram por aí abaixo sem aviso prévio.

Toda aquela engrenagem pesada caiu a grande velocidade derrubando o marinheiro Dunton para fora dos enfrechates tendo caído ao mar, enquanto o 3º oficial, embora atingido, conseguiu agarrar-se aos óvens. Ouviu-se "homem ao mar" mas, apesar de boias salva-vidas terem sido atiradas à água pelo timoneiro e de um bote ter sido arriado, o marinheiro de Hampshire, Thomas Dunton, nunca mais foi visto. Era o oitavo dos marinheiros de Sidney que estava marcado pelo capitão e pelo imediato para sair do barco, aparentemente de qualquer forma! Os marinheiros e os aprendizes ficaram indignados com a ação do imediato enquanto o mestre veleiro “Vanderdecken” afirmava que as suas profecias de desgraça tinham sido justificadas.

 

Enxarcias.png

Enxárcias de estibordo, neste caso do mastro da Mezena do “Cutty Sark”. Os enfrechates são os cabos de menor bitola que se encontram a ligar horizontalmente os brandais.

Logo depois, as provisões começaram a faltar. Os primeiros produtos que falharam foram o sumo de limão e o açúcar, itens que podiam ter sido comprados em Port Cebu onde eram abundantes e baratos. Quando o "Cutty Sark" estava à vista da “Table Mountain”, a meio caminho de seu destino de New York, o navio poderia facilmente ter aportado na Cidade do Cabo para reaprovisionar, mas o capitão Bruce tinha outras ideias.

 

Galinheiro.png

Existiam dois galinheiros no navio, essencialmente para produção de ovos que, em viagens normais raramente, mas muito raramente, chegavam à boca dos marinheiros. Os ovos destinavam-se a ser consumidos no “salão” pelo corpo de oficiais. Desconheço se havia alguma galinha a bordo nesta altura da viagem.

 

Depois, a farinha começou a ser insuficiente quando o navio passou pela ilha de Santa Helena, mas novamente o capitão não parou para reabastecer. Ele tinha o suficiente para si mesmo e isso era tudo o que importava.

 

Ilha de Santa Helena.jpg

 As malhas que os Impérios teceram

As ilhas de Ascensão e de Santa Helena foram descobertas (aqui a palavra mais apropriada deveria ser “tropeçadas” pois foi mero acaso a descoberta desta ilhas) em 1501 pelo navegador galego João da Nova, que na ocasião estava ao serviço de Portugal. João da Nova dirigia-se à Índia.

O primeiro habitante permanente da ilha foi o soldado Fernão Lopes (? – 1545). Foi um soldado português na Índia que foi condenado ao degredo – depois de torturado e desfigurado – por ter ficado ao lado dos rebeldes de Rasul Khan numa rebelião em Goa contra o império português. Permaneceu isolado em Santa Helena de 1515 a 1545. Napoleão Bonaparte também foi exilado pelos ingleses para esta ilha em 1815 e lá permaneceu até à morte, por possível envenenamento, em 1821. Atualmente é Território Britânico Ultramarino

 

Uma pasta de aveia aquosa rapidamente tornou-se o único alimento a poder-se comer, e pouco tempo depois não havia nada e alguns marinheiros começaram a sentir os efeitos do escorbuto.

Mas felizmente para o capitão Bruce, o navio navegava na altura dentro das movimentadas rotas de transporte marítimo no Atlântico. Os navios que passavam foram alertados sobre a situação do “Curty Sark” e os sinais de bandeiras que foram exibidos na sua carangueja proclamaram o fato de que haviam esgotado as provisões. Alguns navios pararam para dar o pouco que podiam, mas muitos deles nem paravam. Mas a corveta de hélice ”HMS Thalia” parou para ajudar. Depois de ser conduzido num bote ao navio de guerra pelos seus aprendizes, o capitão Bruce foi a bordo da corveta e encontrou-se com o comandante.

 

hmsthalia.jpg

A corveta “HMS Thalia” aqui no rio Tamisa, foi o último navio a ser construído no “Woolwich Royal Dockyard” e foi lançado em 14 de julho de 1869

large.jpg

 

Existe um modelo à escala do “Woolwich Royal Dockyard” no Museu Marítimo de Londres que fica muito perto da doca seca onde atualmente está o “Cutty Sark”. Este estaleiro foi fundado por Henrique VIII em 1512 e aí foram construídos uma grande parte dos navios de guerra ingleses. Foi encerrado em 1869 e hoje ainda existem alguns vestígios visíveis embora a maioria dos terrenos onde se situava tenham sido ocupados pela construção de habitação e escritórios.

 

Quanto á história que Bruce contou ao Comandante AK Bickford, no que diz respeito ao fato de ter ficado sem provisões, só pode ser adivinhada ou imaginada (em anos posteriores, o Comandante Bickford tornou-se num almirante bastante conhecido). No entanto deve ter sido uma boa história, porque uma carga inteira de provisões, incluindo pão fresco - ainda quente do forno da corveta - foi carregada no bote de Bruce e levada de volta para o clipper. Se a verdadeira história sobre as provisões tivesse sido contada, o capitão do navio de guerra provavelmente teria posto Bruce a ferros no porão da corveta enquanto aguardasse julgamento.

Mas as provações e atribulações da tripulação do “Cutty Sark” estavam longe de terminar; e por causa da sua posição contra os maus tratos desnecessários e a fome, tanto o 2º como o 3º oficiais passaram as passas do Algarve desde que deixaram Cebu.

No entanto, o capitão Bruce que, sem estar com os copos, era realmente um bom navegador, de um momento para o outro começou a ter um outro comportamento quando o navio se aproximou da costa americana. Pela primeira vez, deu lições de marinharia e de navegação aos aprendizes e até tentou adotar uma posição de aproximação com os timoneiros escalados. O “Cutty Sark” chegou a New York em 10 de abril de 1882, 125 dias depois de deixar Cebu.

boat-traffic-in-new-york-harbor-1880s-B24H5A (3).jpg

Trafego marítimo no porto de New York nos anos 80 do séc. XIX

Assim que o navio atracou tanto o 2º como o 3º oficiais, pediram dispensa. Mas Bruce recusou com a alegação de que a viagem ainda não tinha terminado. No entanto, o 2º oficial Carne, que tinha mantido um diário pessoal dos eventos do navio, visitou o cônsul britânico. O 2º oficial demostrou-lhe ao que a tripulação havia sido submetida desde que Bruce fora nomeado como comandante do navio. Escusado será dizer que o cônsul horrorizado enviou um telegrama a John Willis, em Londres, para o informar sobre as atrocidades que ocorreram num dos seus navios. Além disso, o telegrama informava também que a comida fora implorada a um dos navios de Sua Majestade, isto depois de as oportunidades de reaprovisionamento em Anger, Cidade do Cabo e Santa Helena terem sido ignoradas. Como todos os proprietários de navios, John Willis sempre foi um homem bastante agarrado aos cents, mas também era um ex marinheiro, e sempre se preocupou em que os seus navios estivessem bem apetrechados e que as suas tripulações recebessem comida mais do que a suficiente para sustentar a sua saúde e o seu bem-estar.

Deve ter sentido vergonha pelo fato de que um de seus navios ter implorado comida no mar e horrorizado com o que os marinheiros tiveram que suportar. Num inquérito marítimo subsequente realizado em New York, os certificados do capitão Bruce e do imediato Rutland foram suspensos.

Naquela infame duodécima viagem do “Cutty Sark”, que durou 12 dias menos que dois anos, um total de 79 homens foram matriculados no navio durante toda a viagem, enquanto apenas 23 a começaram e 21 a terminaram. Durante essa viagem de 709 dias, houve sete mortes e sete deserções.

Na altura ainda não tinham inventado o slogan “Se conduzir, não beba! Ou então fica sem a carta de marinheiro”.

A décima segunda viagem, depois de muitos azares e peripécias, terminou em New York a 10 de Abril de 1882.

 

 

Viagens 13 a 15 – Capitão F. Moore

capitão F Moore.png

Após a suspensão do capitão Bruce e do seu imediato o capitão F. Moore foi contratado para o comando do “Cutty Sark” em 1 de Maio de 1882. Não se conhece o nome próprio do capitão F. e quanto ao local de nascimento sabe-se que foi na Inglaterra em 1839. Os registos não contêm mais pormenores.

Julga-se que nasceu na área de Tyneside, no Nordeste da Inglaterra e, como tantos outros marinheiros da época, iniciou a sua carreira aos 12 anos como aprendiz nos brigues de carvão no Nordeste tendo continuado a servir em barcos a vapor e veleiros chegando a imediato do “SS Leda” antes de, eventualmente, ter-se tornado o seu capitão. Neste navio, navegou entre South Shiels, o Báltico e o Mediterrâneo.

Em 1873 comandou a barca “Teviot” de 433 toneladas em viagens para as Maurícias e depois tomou o comando do “Dilharee”, um antigo clipper da rota da Índia que já tinha sido transformado em barca para transporte de imigrantes para a Nova Zelândia e mais tarde convertido para carga geral.

Peacock Spit.jpg

“Peacock Spit” na foz do rio Columbia nos U.S.A.

 

Enquanto capitão deste navio, numa viagem de transporte de cereais a granel saída de Portland (U.S.A.) com destino a Queenstown (na ilha do Sul, Nova Zelândia), o mecanismo do leme do navio ficou danificado quando era rebocado no rio Columbia. Debaixo de tempestade, o barco encalhou em Peacock Spit na foz do rio Columbia ficando posteriormente partido em dois. No inquérito efetuado concluiu-se que houve falha mecânica do mecanismo de direção do navio aliando-se a isso o mau tempo que se fazia sentir, não podendo ser responsabilizados nem os capitães dos reboques nem o capitão F. Moore.

Depois deste acidente o capitão F. Moore juntou-se à frota de John Willis no comando do velho “Coldstream” construído em 1845 e, depois de pouco tempo, foi substituído no comando do navio pelo capitão Richard Woodget sendo-lhe atribuído, em 1881, o comando do “Blackadder” clipper já nosso conhecido.

Na terceira viagem do capitão F. Moore neste novo comando, o “Blackadder” escalou New York e quis o destino que tenha amarrado ao cais ao lado do “Cutty Sark” chegado da sua última viagem e comandado ainda pelo capitão Bruce. O “Cutty Sark” estava em completa agitação e confusão devido aos comportamentos do capitão William Bruce e do seu imediato. Como o navio tinha estado ausente da Inglaterra quase dois anos, a tripulação que tinha sobrado – 21 – foi dispensada na totalidade.

Enquanto durou o inquérito sobre os acontecimentos que já foram atrás descritos, a carga de juta que o “Cutty Sark” trazia foi descarregada e foram carregados 26.816 caixas, cada caixa contendo dez galões de petróleo em duas latas. Como a “Cutty Sark” não tinha capitão nem tripulação e estava carregada pronta a zarpar, John Willis decidiu transferir toda a tripulação do “Blackadder”, capitão incluído, para o “CuttySark”.

Assim, neste primeiro comando do capitão F. Moore no “Cutty Sark” embarcaram 3 oficiais – um imediato, um 2º e um 3º oficiais – 6 aprendizes, 1 mestre carpinteiro, 1 cozinheiro, 1 despenseiro e 10 marinheiros de 1ª (AB).

Dos originais 31 tripulantes da 1ª viagem restam 23 para a décima terceira viagem.

Em 4 de Maio de 1882 o “Cutty Sark” largou de New York, atravessou o Equador em 1 de Junho e aportou a Anger (estreito de Sunda) em 2 de Agosto de 1882 onde fez aguada tendo velejado para Semarang (ilha de Java) onde chegou a 20 de Agosto e descarregou as caixas de petróleo.

De seguida largou para Madras (hoje Chenai, no sul da Índia) em lastro com metade da tripulação atacada pela febre. Todos recuperaram com exceção de William Abraham de Lancashire que faleceu com 31 anos de idade, no mar, em 5 de Novembro de 1882, dois dias antes da chegada a Madras.

Dois dias antes do Natal o navio rumou para Bimlipitam (também na Índia) onde tomou uma carga de chifres, couros e juta navegando de seguida para Cocanda (também na Índia) para acabar de encher o porão do navio com o mesmo tipo de mercadorias, saindo para a Inglaterra em 31 de Janeiro de 1883. Depois de uma viagem de 122 dias, o “Cutty Sark” voltou a bom porto com um total de 397 dias.

O capitão Moore assinou novo contrato com o armador em 13 de Julho de 1883 tendo o “Cutty Sark” levantado ferro de Gravesend no Tamisa a 15 de Julho de 1883 para a sua décima quarta viagem, com rumo a Newcastle NSW, Austrália, onde chegou a 10 de Outubro de 1883, 79 dias depois da partida. Normalmente as viagens a Newcastle NSW eram para carregar carvão com destino, também normalmente, a Xangai. Desta vez não foi assim pois a carga que esperava para ser transportada no porão do “Cutty Sark” eram fardos de lã com destino à Inglaterra. Foi o primeiro frete de fardos de lã que o “Cutty Sark” efetuou.

 

o-carregamento-do-carvao-para-navios-em-greymouth-1873-westland-nova-zelandia-kwawaj (2).jpg

O carregamento do carvão era feito a granel usando sistemas como este. Aqui é no porto de Greymouth-Westland na Nova Zelândia em 1873 

 

Z25.png

O “Cutty Sark” a carregar fardos de lã no “Circular Quay” em Sidney

 

A viagem de regresso a casa foi feito pelo Pacífico Sul entrando no Atlântico pelo Cabo Horn e, até fundear em Deal cidade já nossa conhecida, demorou 82 dias. Foi-lhe creditada esta duração como sendo a mais rápida viagem de transporte de lã daquela época tendo o “Cutty Sark” batido todos os outros navios por 1 mês ou mais.

Na maioria dos casos, os veleiros que saíam para os Antípodas do Reino Unido geralmente rumavam para o Este, fazendo rumo a Sul pelo Atlântico e depois rumo a Este pelo Índico/Antártico. Estes rumos foram escolhidos neste tipo de viagens tendo em conta a existência de ventos prevalecentes do Oeste no Atlântico e no Índico e por vezes já em paralelos do Oceano Antártico – os chamados “Quarenta Rugidores”, “Furiosos Cinquenta” e “Guinchantes Sessenta”, conforme os paralelos onde sopram (1). Assim, descendo o Atlântico usando os ventos que os portugueses também usaram na época dos Descobrimentos e passando ao Índico pelo Cabo da Boa Esperança em latitudes mais elevadas, esses mesmos navios de vela normalmente voltavam para o Reino Unido vindos da Austrália/Nova Zelândia rumando a Oeste cruzando o Pacífico e entrando no Atlântico junto do cabo Horn, resultando assim numa viagem de volta ao mundo. No entanto, ao usar a rota pelo cabo Horn mesmo aproveitando os ventos dominantes – o que era possível se os capitães fossem conhecedores e tivessem unhas… e mais qualquer coisa, para arriscarem – as passagens de volta ao Reino Unido sempre demoravam mais porque a distância era maior. Deve ser acrescentado que o único motivo pelo qual os veleiros foram capazes de ter vantagem no transporte de lã da Austrália, em relação aos “steamers” foi porque os navios a vapor da altura ainda não tinham uma rede de estações de abastecimento de carvão estabelecida para esta rota.

================================================================================================================= Passaem cabo Horn-vento (1).png

(1) Mapa meteorológico da direção e intensidade dos ventos na região do cabo Horn, do “meteoblue”, gravada a 06/03/2018 pelas 08:00 …

 

Previsão Meteo (1).png

(2) e a previsão meteorológica para o mesmo dia de terça feira 06/03/2018 até sexta feira 09/03/2018 no cabo Horn e que pode ser obtida antecipadamente para qualquer ponto do percurso.

 

(1) (2) No dia 06/03/2018 vamos supor que, se eu comandasse o “Cutty Sark” e me encontrasse no ponto do mapa assinalado com uma +, em frente ao cabo Horn com destino a Sidney, (não é um percurso que o "Cutty Sark" alguma vez tenha feito) teria um vento que poderia atingir 30km/h e encontrava-me numa zona onde as rajadas de vento poderiam atingir os 70km/h. Se descaísse para Sul, entraria numa área com possiveis rajadas de 90km/h e se descaísse ainda mais poderia ser apanhado por possiveis rajadas de 120km/h. A decisão do rumo a tomar em direção à Austrália, descontando outras informações que não vou ter em conta para este “exercício exemplo” seria fácil de tomar. Tinha pela minha frente as ilhas Sandwich e um rumo sensivelmente de ENE – descontando o possível abatimento devido à acção do vento vindo do través de bombordo e das correntes – daria para passar a sul dessas ilhas e depois procurar a melhor posição para prosseguir para a Austrália.

Pois! Mas na altura não havia nada que se parecesse com estas ajudas. Cartas do Almirantado havia ainda pouco elaboradas, onde constavam as direções e intensidades médias dos ventos bem como as das correntes mas, previsões num dado momento, nickles. E estas previsões meteorológicas eram sempre feitas com base na experiência dos capitães e de outros membros da tripulação. Fico sempre espantado com o nível de conhecimento empírico e capacidade de tomada de decisão dos navegadores desta era, já para não falar nos dos séculos anteriores e presto-lhes a minha homenagem.

Isto é só um exercício e eu não sou marinheiro.

cabo Horn.jpeg

 Passagem do cabo Horn

No dia em que esta fotografia foi tirada Éolo, deus grego dos ventos, tinha fechado os portões mas havia “carneirinhos”. Pelo aspeto do mar o vento seria possívelmente de força 5/6  na escala Beaufort.

 

ClipperRoute.png

 

Os clippers do séc. XIX costumavam utilizar com frequência como rota para a Austrália e para a Nova Zelândia a faixa dos “Ventos Rugidores” nas latitudes de 40, 50 e 60 graus Sul, esta última já nos limites do Oceano Antártico, regressando à Europa via cabo Horn.

O mapa exemplifica uma viagem com saída da Inglaterra descendo o Atlântico (curiosamente, mas não por acaso, numa rota muito semelhante à das Naus Portuguesas que se dirigiam para o Oriente no séc. XV, aproveitando os ventos dominantes), dobrando o Cabo da Boa Esperança e aproando para Leste dentro de rumos contidos entre os 40 e os 50 graus Sul em direção à Austrália ou à Nova Zelândia. O regresso era efetuado passando a sul da Nova Zelândia ou entre a Ilha do Norte e a Ilha do Sul percorrendo o Pacífico dentro da faixa dos 40 a 50 graus Sul até às proximidades do Cabo Horn – que se situa a 55.98 graus de latitude Sul e 67.29 graus de longitude Oeste – onde tinham de entrar na faixa dos 50 a 60 graus Sul com ventos a soprarem com velocidades por vezes bastante assustadoras. Muitas vezes a passagem do Cabo Horn era um autêntico martírio quando se tratava de veleiros. Depois do cabo Horn  para casa, era sempre a direito, caso os ventos fossem favoráveis.

 

800px-CapeHornOverviewMap.png

Mapa de localização do cabo Horn no extremo austral da América do Sul

================================================================================================================= 

A terceira viagem do capitão F. Moore no “Cutty Sark” e a décima quinta viagem do navio iniciou-se com a assinatura do contrato em Londres a 13 de Julho de 1884 e a saída do navio de Gravesend dois dias depois, a 15 do mesmo mês novamente com destino a Newcastle NSW via Atlântico/Índico do Sul, com carga geral incluindo 80 toneladas de pólvora. Nesta viagem embarcaram oito marinheiros de 1ª (AB) e oito aprendizes. O aprendiz sénior Jacques embarcou como 3º oficial. A aportagem em Newcastle NSW  foi a 5 de Setembro de 1884 depois de 82 dias de viagem desde Gravesend e foi necessário esperar 3 meses até um frete de 4.300 fardos de lã ter sido embarcado. A viagem de regresso foi feita via Cabo Horn e demorou 80 dias tendo o “Cutty Sark” ultrapassado todos os que partiram antes dele de Newcastle NSW, ganhando a “corrida da lã” desse ano.

Depois da chegada e descarregado o navio, o capitão F. Moore foi transferido por conveniência do armador, para o “The Tweed”, o navio “pai” dos clippers de sucesso que navegavam sob a bandeira da “John Willis & Son”.

 

(continua)

Um abraço e…

Bons Ventos