Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mar & Arte

Artesanato Urbano de Coisas Ligadas ao Mar (e outras)

Mar & Arte

Artesanato Urbano de Coisas Ligadas ao Mar (e outras)

26.06.19

40 - Modelismo Naval 7.16 - "Cutty Sark" 2.13


marearte

ib-04.1.jpg

 

Caros amigos

(continuação)

 

A Recuperação do “Cutty Sark” – Wilfred Dowman – 1922

 

Z70.png

 

Mas, apesar de toda a confusão estabelecida á volta da compra – particularmente no que diz respeito ao estado do navio e à honestidade do vendedor por pessoas estranhas à mesma – o capitão Dowman fechou a compra com o Sr. Silva e o “Maria do Amparo” foi rebocado de Lisboa para Falmouth, para fabricos.

 

Ao assumir a propriedade do “Maria do Amparo”, o capitão Dowman tinha a intenção de registar o barco novamente como “Cutty Sark” e então restaurar o navio segundo os planos de 1869.

 

Aqui, - Jock Willis.pdf  - as indicações com as especificações técnicas para a construção do “Cutty Sark”, elaboradas em 1869 por “Jock Willis”, o proprietário original do navio.

 

Assim o fez e, quer o preço do navio quer os custos da reforma, foram suportados na totalidade só por ele. Na verdade, pela família Dowman, já que a segunda esposa do capitão, Catharine Dowman, filha de Sydney Courtauld, era uma das herdeiras de uma das maiores indústrias têxteis (seda) da Grã Bretanha. O capitão já era casado, divorciou-se da primeira mulher e casou em segundas núpcias com Catharine em 1920.

2004.428 Mrs Catherine Dowman with Mr. Frank Carr Catharine Dowman ao leme do “Cutty Sark”, numa visita ao mesmo.

 

Catharine e a irmã Sidney Renée, foram duas conhecidas sufragistas nos primeiros anos do século XX.

pf343_0906 (2).jpg

O que restava do “Lady of Avenal” no porto de Poole em 1939.

 

Aqui -  Maritime History Archive Public Photo Catalogue.pdf o verbete de catalogação do bergantim “Lady of Avenal” – em alguns lados está grafado como “Lady of Avenel” – do “Maritime History Archive Public Photo Catalogue” que informa que o navio (ou o que restava dele) foi rebocado em 1939, para o mar alto, incendiado e afundado.

 

A posição financeira da família permitiu a compra do “Cutty Sark”. Venderam uma parte considerável da sua propriedade, incluindo o bergantim “Lady of Avenal” que estavam a usar para treinamento de jovens cadetes da Marinha Mercante, reservando ao novo “Cutty Sark” o mesmo papel de navio escola de Cadetes da Marinha Mercante da “escola” de Dowman.

 

Z72.png

O aspeto do “Maria do Amparo” em Falmouth quando da venda ao capitão Dowman em 1922.

Z73.png

Um outro ângulo.

 

Durante a reforma do navio em Falmouth, pouca informação sobre reparos ou registos de substituição estão disponíveis. Pode-se verificar no entanto que, depois que o navio ficou pronto, a sua primeira tripulação foi constituída por candidatos a cadetes da Marinha Mercante, da “escola” de Dowman.

 

Z74.png

No princípio dos anos 20 os primeiros trabalhos de reconstrução do “Maria do Amparo” para o “Cutty Sark”, vendo-se já colocados os mastros reais do traquete, grande e mezena …

 

Z75.png

… bem como tinha sido efetuada a reconstrução de grande parte do convés.

 

No início de 1920, o capitão Dowman conheceu  Basil Lubbock em Hamble, enquanto eles estavam envolvidos em corridas de iates. Depois de terem feito amizade, e sem saber que o capitão Dowman era o dono do “Cutty Sark”, Basil Lubbock foi solicitado a escrever um livro sobre o antigo clipper de chá. O resultado foi o livro “The Log of the Cutty Sark”.

 

Z76.png

Já novamente aparelhado como galera …

 

Z77.png

… o “Cutty Sark” é sujeito aos últimos retoques em Falmouth, já no ancoradouro da baía.

 

Z78.png

Em 1924, fundeado em Falmouth e embandeirado em arco com destino à semana de “Regatas de Fowey” onde será o Navio Bandeira da organização, o “Cutty Sark” aguarda …

 

Z79.png

… o reboque que o conduzirá para fora da baía de Falmouth, com rumo a Fowey.

 

img20190625_16533123.jpgPercurso do “Cutty Sark” de Falmouth para Fowey onde o o navio participou na Semana de Regatas de 1924, enquanto navio escola de cadetes da Marinha Mercante e como Navio Bandeira da organização.

 

fowey-river-fowey-at-mixtow-1920_69763.jpg

Veleiros fundeados em Fowey em 1920.

 

Woodget.png

Foi o comandante Richard Woodget – o mais célebre comandante do “Cutty Sark”, que o levou a alcançar mais recordes entre 1885 e 1895 – que comandou o “Cutty Sark”, com uma tripulação de cadetes na viagem de 20 milhas entre Falmouth e Fowey em 1924.

 

Cutty Sark at Falmouth, 1924 - 1938 (2).jpgO “Cutty Sark”, fundeado na baía de Falmouth, sua base operacional de 1924 a 1938.

 

Sendo um monumento histórico, o navio foi aberto ao público. Dowman morreu em 1936 e o ​​navio foi vendido ao “Thames Nautical Training College” pela viúva Catharine Dowman pelo valor nominal de 10 shillings tendo ficado amurado com o “HMS Worcester” em Greenhithe. Catharine Dowman presenteou a escola naval com a importância de £5,000 destinada à manutenção do navio.

O “Cutty Sark” deixou Falmouth para sua última viagem á vela em 1938. O navio foi tripulado por cadetes. Robert Wyld de 15 anos comandou o navio durante a viagem. Ian Bryce, DSC, o último membro da tripulação sobrevivente do reboque histórico de Falmouth para o Tâmisa morreu, aos 89 anos, em 11 de dezembro de 2011.

Z81.png

A foto de cima mostra um tipo de arrecadação construída em cima da escotilha nº 2 do “Cutty Sark”. Foi mais do que provavelmente usada como armazenagem de materiais e ferramentas enquanto o navio estava em reconstrução.

Z82.png

 Quando, já como “Cutty Sark”, a foto de cima mostra a escotilha nº 3, aberta, antes que a escada de acesso para os visitantes fosse construída em cima dela. Em cada um dos lados da base do mastro da mezena pode ser visto um galinheiro.

 

Z84.png

Visto aqui em Londres, depois de reverter para o seu nome original de "Cutty Sark" com aparelho de galera, …

 

Z85.png 

os mastaréus dos joanetes …

Z86.png 

… foram retirados durante a 2 ª Guerra Mundial.

 

 

(continua)

 

Um abraço e …

Bons Ventos