Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Mar & Arte

Artesanato Urbano de Coisas Ligadas ao Mar (e outras)

Mar & Arte

Artesanato Urbano de Coisas Ligadas ao Mar (e outras)

16.04.14

7 - Rosas-dos-Ventos na Cartografia Antiga Portuguesa 3


marearte

 

 

Caros amigos

 

A evolução dos "mapas" desde a antiguidade

 

 

Na época medieval, a concepção do mundo era bastante fantasiosa e simbólica, segundo o ponto de vista ocidental. O mundo conhecido começou por ser representado pelos célebres mapas T-O (Orbis Terrarum) que não tinham qualquer utilidade prática tendo em vista o que hoje significa um mapa.

 

 

 Mapa T-O de Isidoro (560 - 636)

 

No entanto as pessoas deslocavam-se por mar e tinham necessidade de ter referências possíveis de seguir para essas viagens.

 

No Mediterrâneo - e noutros "mares" - as viagens eram feitas junto à costa e eram referênciados pontos desta (aquilo que hoje designamos por "conhecenças" que se encontram nos roteiros de costa), que permitiam colocar os navios nas rotas pretendidas e levá-los a bom porto. Estas descrições constam dos portulanos que derivam dos "périplos", já existentes na antiguidade, e que tinham a mesma finalidade.

 

O portulano mais antigo que se conhece foi redigido em 1296 e dá pelo nome de "Il Compasso da navigare". Data da mesma época também a mais antiga carta-portulano conhecida designada por "Pisana". Existem assim duas "ferramentas" complementares usadas como auxiliares de navegação: o Portulano, uma memória descritiva de como fazer a viagem (roteiro) e a Carta-Portulano, uma representação gráfica prática do espaço onde se moviam os navios destinando-se ambas a facilitarem a navegação marítima.

 

 

As Cartas-Portulano caracterizam-se pelo traçado de várias linhas em forma de teia que partem de diferentes pontos referenciados na carta e se cruzam entre si, que representam os diferentes rumos possíveis de seguir a partir desses pontos e permitiam localizar o navio no mar através do método de "rumo e estima". Esses rumos são hoje conhecidos como os diferentes pontos cardeais, pontos colaterais e pontos sub-colaterais que, no seu conjunto compoem a Rosa-dos-Ventos.

 

Na época medieval os principais centros de elaboração de Cartas-Portulano foram Veneza, Génova e Maiorca.

 

Em Portugal foi pela mão do Infante D. Henrique, que contratou em 1420 o mestre cartógrafo Jaime de Maiorca, que foram introduzidas as técnicas de cartografia da época certamente aplicadas pelos navegadores portugueses nas suas descobertas o que é referido por diferentes cronistas.

 

As cartas-portulano que hoje conhecemos não foram certamente usadas a bordo e destinavam-se mais a usos sumptuários pelos grandes senhores. Embora não esteja referenciada, até hoje, nenhuma carta-portulano usada a bordo - fácilmente se deterioraram devido ao uso e aos maus tratos -  podemos imaginá-las mais práticas, desprovidas de iluminuras, mais no tipo da "Carta Pisano"

 

 

 

 

Mais Rosas-dos-Ventos

 

7 – Sebastião Lopes - 1558

 

Rosa-dos-ventos existente numa carta em pergaminho grosso que representa a maior parte da Europa, a metade ocidental da África, costas orientais da América do Norte, a maior parte da América Central e as costas das partes central e norte da América do Sul.

 

 

  

 

Esta carta encontra-se no “British Museum”, cota “Add. MS 27, 303”.

Publicada em “Portugaliæ Monumenta Cartographica”, Vol. IV, 5, Estampa 390.

INCM, 1978

 

 

 

 

 

 

8 – Sebastião Lopes - 1558

 

Esta Rosa-dos-ventos está na mesma carta da anterior. 

 

 

 

 

9 – Lopo Homem-Reineis - 1519

 

Rosa-dos-ventos existente no Atlas Universal (truncado).

 

 

 

As cartas deste Atlas encontram-se :

-       Mapa Mundi, “Collection M. Destombes”, Paris (Rés. Ge. AA640);

-       Outras cartas,”Biblioteque Nationale” Paris (Rés. Ge. DD683).

Publicada em “Portugaliæ Monumenta Cartographica”, Vol. I, 55-61, Estampas 16-24.

INCM, 1978.

 

 

 

 

 

 10 - Diogo Homem - 1558

 

 

 

11 – João Freire - 1546 

 

Rosa-dos-ventos existente no Atlas do Atlântico Norte e Mediterrâneo, com 7 cartas.

 

 

 

 

 

Estas cartas encontram-se  na “Huntington Library” San Marino, Califórnia (HM 29).

Publicada em “Portugaliæ Monumenta Cartographica”, Vol. 1, 153-4, Estampas 75-78.

INCM, 1978.

 

 

 

 

 

 

12 – Diogo Homem - 1572

 

Rosa-dos-ventos existente no Atlas da Europa e Mediterrâneo, com 7 cartas.

 

 

 

 

Estas cartas encontram-se  na “Bibliothèque Nationale”, Paris (Mss.Portugais 45).

Publicada em “Portugaliæ Monumenta Cartographica”, Vol. II, 41, Estampas 147-150.

INCM, 1978

 

 

 

 

 

13/13A– Diogo Homem - 1572

 

Rosa-dos-ventos existente no Atlas da Europa e Mediterrâneo, com 7 cartas.

 

 

 

 

Estas cartas encontram-se  na “Bibliothèque Nationale”, Paris (Mss.Portugais 45).

Publicada em “Portugaliæ Monumenta Cartographica”, Vol. II, 41, Estampas 147-150.

INCM, 1978.

 

 

 

14 – Diogo Homem - 1572

 

Rosa-dos-ventos existente no Atlas da Europa e Mediterrâneo, com 7 cartas.

 

 

 

 

Estas cartas encontram-se  na “Bibliothèque Nationale”, Paris (Mss.Portugais 45).

Publicada em “Portugaliæ Monumenta Cartographica”, Vol. II, 41, Estampas 147-150.

INCM, 1978.

 

 

 

 

 

 

15 - Diogo Homem - 1572

 

Encontra-se nas mesmas cartas da anterior

 

 

 Preços das Rosas-dos-Ventos actualizados

 

Os preços actuais das Rosas-dos-Ventos são de 20,00 Euros para as individuais e 22,50 Euros para as duplas e executam-se por encomenda as que já foram publicadas neste blogue, sendo fornecidas sem moldura, com passpartout e autocolante com informação sobre a Rosa.

 

Os pedidos devem ser efectuados para:

 

mareartenautilus@gmail.com

 

 

 Bons Ventos